UnB 59 anos: nós fazemos parte dessa história

0Shares
0 0

No dia 21 de abril a Universidade de Brasília (UnB) completou seu 59º aniversário. Sendo um dos orgulhos do povo brasiliense e brasileiro, a UnB transforma a vida de milhares de trabalhadores e estudantes que a integram, formando cidadãos comprometidos com a ética, com a responsabilidade social e com o desenvolvimento sustentável, dentro de sua missão de integrar, produzir e divulgar o conhecimento e a ciência.

A história da UnB se entrelaça e até mesmo se confunde com a história de Brasília-DF. Ela se fez a partir do sonho e do trabalho de Darcy Ribeiro e de Anísio Teixeira, estando hoje, quase seis décadas após sua inauguração, consolidada como uma das principais Instituições de Ensino Superior do Brasil e da América Latina, atuante em todas as áreas do conhecimento, aberta às principais demandas do Brasil e do mundo.

A UnB são seus quatro campi (Darcy Ribeiro, Planaltina, Ceilândia e Gama), seus 4.787.449,13 m², seus 48 mil estudantes (39,5 mil em graduação e 8,5 mil em pós-graduação), seus 2,8 mil professores e seus 3,1 mil técnico-administrativos em educação. A UnB somos todos nós que a construímos – cada um é um pedacinho dela!

E nós do SINTFUB, que fizemos parte desta Universidade em seus últimos 35 anos, temos muito orgulho em construí-la e em saber que o nosso trabalho dá bons resultados para o Distrito Federal e para o Brasil: a UnB está avaliada como a 10ª melhor Universidade do Brasil e como a 29ª melhor da América Latina.

Sabemos das dificuldades e desafios da conjuntura em que vivemos, principalmente após a onda de retrocessos em sequência que vieram de 2016 pra cá. A Educação Pública está na mira dos cortes orçamentários porque, como serviço essencial que é, a estratégia dos governos tem sido a de sucateá-la para privatizá-la.

Mas a UnB e os educadores resistirão e vencerão essas ofensivas! Por mais que ataquem a Universidade Pública, não podem derrotá-la por ela ser essencial ao Projeto de País e à Soberania Nacional. Por mais que tentem avançar contra os trabalhadores da Educação, estes estão prontos a se organizar para resistir e reverter as ofensivas de governos irresponsáveis e descompromissados com os servidores públicos e com a população brasileira.

A conjuntura é difícil, mas ela passará. E a UnB e seus trabalhadores continuarão produzindo profissionais capacitados, cidadãos conscientes e conhecimento científico relevante ao desenvolvimento sociedade.

Mário Júnior

0Shares
0