Trabalhadores da UnB marcham pela capital federal contra o Ajuste Fiscal e cortes nas universidades

0Shares
0 0

Os trabalhadores aprovaram o fortalecimento da luta contra o Ajuste Fiscal rumo à Greve Geral, a participação de atos e paralisações nos dias 22 e 29 de setembro
A Caravana Nacional com acampamento realizada nos dias 12, 13 e 14 de setembro, reuniu cerca de 5.000 trabalhadores, militantes do movimento social e estudantil. Trabalhadores técnico-administrativos em educação da Universidade de Brasília (UnB) engrossaram as fileiras da marcha dos servidores públicos federais e estaduais contra o Ajuste Fiscal (PLP 257/16 e PEC 241/16), a reforma da previdência, reforma trabalhista, corte no orçamento das universidades, em defesa de salário e emprego.
No dia 12 aconteceu a marcha noturna em favor da cassação do deputado afastado Eduardo Cunha. Os trabalhadores caminharam pelo Eixo Monumental até o Congresso Nacional em manifestação pelo “FORA CUNHA”.
A marcha do dia 13, em manifestação pelo “FORA TEMER” tomou todas as faixas da via até o Congresso Nacional, contra a retirada de direitos anunciada pelo atual governo de Michel Temer, por meio de propostas que congelam salários, limitam investimentos em políticas públicas e ameaçam direitos conquistados pela classe trabalhadora. O evento terminou com um Ato em frente ao Ministério da Fazenda.
Na manhã de quarta-feira, 14, cerca de mil caravaneiros se concentraram na tenda montada na Esplanada dos Ministérios em Reunião Ampliada. Os representantes do Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais (Fonasefe) e centrais sindicaisrealizaram uma análise das atividades.
Os trabalhadores aprovaram o fortalecimento da luta contra o Ajuste Fiscal rumo à Greve Geral, a participação de atos e paralisações nos dias 22 e 29 de setembro e mobilizar as centrais sindicais para o dia unificado de lutas e paralisações rumo à Greve Geral em outubro.

Confira a resolução da Plenária Nacional Estatutária da FASUBRA Sindical realizada nos dias 09, 10 e 11 de setembro de 2016.
Considerando a intensificação da luta pelo FORA TEMER e contra o PL 257/16, PEC 241/16, cortes orçamentários, a reforma da previdência e a desregulamentação e precarização dos direitos trabalhistas, após um amplo debate entre as delegadas e delegados, a Plenária Nacional da FASUBRA resolve:

JORNADA DE LUTAS PELO FORA TEMER E RUMOÀ GREVE GERAL

1. Reafirmar a importância da participação da FASUBRA e todas suas entidades filiadas no:
· Ato contra Cunha – no dia 12 de setembro (data marcada para sua cassação),
· Marcha do Funcionalismo – no dia 13 de setembro
· Reunião Ampliada do Funcionalismo – no dia 14 de setembro.
2. 21 de setembro – Reunião da FASUBRA com o Ministério da Educação (MEC) – No mesmo horário as direções das entidades de base deverão pautar nas Reitorias os temas em debate nacional com o MEC. Apresentar a resolução da Plenária e informar a posição da categoria de construção da Greve da Educação.
3. Paralisação Geral chamada pelas Centrais Sindicais no dia 22/09 – com Atos nos estados.
3. Participar da Paralisação Nacional de 24h no dia 29/09 – convocada pelos sindicatos metalúrgicos.
4. Construir um Calendário de Lutas com o FONASEFE com atos unificados com categorias em campanha salarial (Bancários, Correios, Petroleiros e Metalúrgicos) com objetivo de acumular forças e experiências RUMO A GREVE GERAL. Incorporar o movimento estudantil.

*CONSTRUÇÃO DA GREVE GERAL COMEÇANDO PELA EDUCAÇÃO *

1. Propor ao ANDES, SINASEFE e entidades estudantis uma reunião da educação federal para discutirmos a possibilidade da greve do setor da educação federal para o mês de outubro.
2. Seguir fazendo o debate no FONASEFE sobre a construção da Greve do Funcionalismo Federal com eixos centrais focado na Luta contra a PEC 241, PLP 257 e Projetos de Leis que atacam os direitos dos trabalhadores e a soberania do País.
3. Seguir fazendo o debate e participando dos Fóruns junto às Centrais sindicais na construção de paralisações nacionais e da greve geral.
4. Deflagrar imediato ESTADO DE GREVE na base da federação, com assembleias periódicas, que irão avaliar a construção do calendário proposto e da conjuntura.
5. Orientar os sindicatos da sua base a construir assembleias unificadas e criação de comitês em conjunto com docentes e estudantes, para avaliação da conjuntura e diagnóstico orçamentário das instituições diante dos cortes e suas implicações nas políticas acadêmicas, administrativas e de gestão de pessoas.
6. Orientar os sindicatos de base priorizar o aprofundamento do debate formativo com o conjunto da categoria – acerca dos seguintes temas:
· PEC-241, PLP 257, Reforma da Previdência, Reforma Trabalhista, Cortes no Orçamento das Universidades, Projetos que comprometem o acesso a Universidade, Financiamento da Educação, Escola Sem Partido.

RESOLUÇÕES SOBRE 30HS

A FASUBRA – como representante legal de todos os trabalhadores técnico-administrativos em educação delibera:

01. Unificar nacionalmente as lutas por “30hs para todos” – com paralisações nacionais para pressionar as reitorias a usarem a discricionariedade prevista em Lei e a autonomia universitária na defesa das “30 horas para Todos”.
02. Promoverá reunião das assessorias jurídicas com a finalidade de construir peças jurídicas e políticas que, fundamentadas em experiências, como a do CEFET de pelotas, garantam as “30hs para Todos” e o direito de todos os técnico-administrativos em educação participarem de todas as atividades sindicais, principalmente paralisações e Greves.

Assessoria de Comunicação Sintfub

admin

0Shares
0