Após pressão dos trabalhadores, governo responde servidores das universidades federais

0Shares
0 0

O secretário de Relações do Trabalho do Ministério do Planejamento – MPOG, Sérgio Mendonça, e o secretário de Educação Superior do Ministério da Educação – MEC, Paulo Speller, solicitaram aos representantes da Fasubra o prazo de até 15 dias para tentarem avançar na pauta de reivindicação da categoria, em greve há quase dois meses. O pedido foi feito em reunião nesta quarta-feira (7), no Ministério do Planejamento, após servidores técnico-administrativos de todo o País terem ocupado todas as portarias do MPOG (bloco C).

De acordo com Mendonça, o prazo de até 15 dias será utilizado para trabalhar a pauta de reivindicação dos servidores técnico-administrativos das universidades federais e da base do Sinasefe – Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica – junto à ministra do Planejamento, Miriam Belchior, e o ministro da Educação, Henrique Paim. Segundo o secretário, a “margem de manobra é pequena”, mas a manifestação realizada pelos trabalhadores “modificou o cenário”.

“O recebimento dos representantes da Fasubra pelo governo foi resultado da mobilização e da unidade dos técnico-administrativos das universidades federais. Vamos dar este prazo, mas continuaremos em greve, firmes e vigilantes. Somente através da luta poderemos obter conquistas. A nossa história é escrita assim”, avalia o coordenador-geral do Sintfub, Mauro Mendes.

Após o recebimento dos representantes da Fasubra e do Sinasefe pelos secretários do MPOG e do MEC, os servidores técnico-administrativos das universidades federais desocuparam as portarias do Ministério do Planejamento e seguiram e marcha com servidores das demais categorias do funcionalismo público, que realizaram nesta quarta-feira (7) o Dia Nacional de Luta.

Acampamento
Após dois dias, os servidores técnico-administrativos de diversas universidades federais de todo o país levantaram acampamento instalado no primeiro quadrante da Esplanada dos Ministérios. Neste período, cerca de cinco mil trabalhadores reivindicaram, com várias manifestações, que o governo abra negociações efetivas com a categoria e contemple as reivindicações dos trabalhadores.

Entre os pontos reivindicados pelos servidores técnico-administrativos estão a jornada de trabalho de 30 horas semanais, garantida por decreto presidencial; reposicionamento dos aposentados na carreira; isonomia dos benefícios entre os três Poderes; definição da data-base para 1º de maio; paridade entre ativos, aposentados e pensionistas.

Mobilização total nos dias 6 e 7 de maio

admin

0Shares
0